PERDOEM MINHA APARÊNCIA!

Esta é a orquídea chamada Cycnoches cooperii  que entre as orquídeas não é lá uma das mais bonitas porque nem todas as orquídeas são lindas, maravilhosas, encantadoras. Todavia,  o conceito de beleza é totalmente subjetivo e quem ama o feio bonito lhe parece. Dito isto,  estou  oferecendo a visão virtual desta surpresa do reino das orquídeas que em sua notável evolução faz de tudo para estar sempre inovando e surpreendendo com suas formas. Boa semana para todos os leitores.

CRÉDITO DAS IMAGENS:

http://www.rv-orchidworks.com/orchidtalk/orchids-other-genera-bloom/16654-cycnoches-cooperi.html

Anúncios

Já conheciam esta orquídea ? (Megaclinium purpureorhachis.)

Megacliniumpurpureorhachisg

Quando vi a foto desta orquídea, mais uma vez me surpreendi com a diversidade de espécies das orquidáceas e esta é uma das orquídeas mais exóticas. A Megaclinium purpureorhachis é nativa do centro-oeste africano.

Nome correntemente utilizado: Megaclinium purpureorhachis.

Autor: de Wild..

Data da publicação: 1903.

Sinônimos: Bulbophyllum purpureorhachis.

Origem: Congo, Camarões, Gabão, Costa do Marfim e Zaire.

Habitat: epífita em florestas quentes, em locais bem iluminados e bem ventilados.

Altitude: 200 a 1.200 metros.

Quantidade de espécies neste gênero: cerca de 60.


 fonte : http://www.colibriorquideas.com

PERISTERIA ELATA A FLOR NACIONAL DO CANADÁ

800px-Peristeria_elata_Orchi_11

Por Orchi – Fotografia própria, CC BY-SA 3.0, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=3260767

Peristeria é um género botânico pertencente à família das orquídeas (Orchidaceae). Foi proposto por Hooker em Botanical Magazine 58: pl. 3116, em 1831. A espécie tipo é a Peristeria elata Hooker. O nome do gênero vem do grego peristerion, pequeno pombo, em alusão a forma de suas flores que em algo lembram essas aves.

Peristeria constitui-se em cerca de uma dezena de robustas espécies epífitas ou terrestres, de crescimento cespitoso, que existem da Costa Rica à floresta Amazônica, no Equador, Peru, Colômbia, Guianas e norte do Brasil, bem como uma espécie no sudeste brasileiro. No total seis representantes no Brasil.

Trata-se de gênero em tudo muito próximo a Lycomormium. Deste diferencia-se pela sépala dorsal de suas flores que é totalmente livre na base, e por apresentar com labelo trilobado cujo lobo mediano é mais longo que os laterais. Há ainda certa controvérsia se a inflorescência ereta ou arqueada deveria servir como diferença entre estes gêneros, mas parece ter sido critério abandonado em favor das outras diferenças florais.

As plantas em algo lembram Stanhopea, com grandes pseudobulbos ovais ou um tanto cônicos, carnosos, quando novos com Baínhas de consistência membranácea, com uma ou poucas folhas apicais grandes e vistosas, caducas, pseudopecioladas, plicadas, elíptico-lanceoladas, com nervuras espessas, subcoriáceas. A muito curta inflorescência racemosa, basal, rígida, com até flores de tamanho médio aglomeradas, simultâneas, pode ser ereta ou arqueada, mas mais freqüentemente é pendente.

As flores apresentam sépalas e pétalas iguais, côncavas, arredondadas e carnosas, conferindo um aspecto esférico às flores, as sépalas laterais algo concrescidas na base, as pétalas ligeiramente menores. O labelo distintamente dividido em duas partes, uma parte móvel, chamada epiquílio que é articulada à outra parte fixa e carnosa presa à base ou pé da coluna, chamada hipoquílio. A coluna pode apresentar pequenas asas ou aurículas, é espessa e curta, em regra com prolongamento podiforme, antera terminal biloculada contendo duas polínias cerosas sulcadas, quase diretamente presas ao viscídio.

ESPÉCIES

  1. Peristeria cerina Lindl., Edwards’s Bot. Reg. 23: t. 1953 (1837).
  2. Peristeria cochlearis Garay, Orquideologia 7: 199 (1972).
  3. Peristeria elata Hook., Bot. Mag. 58: t. 3116 (1831).
  4. Peristeria guttata Knowles & Westc., Fl. Cab. 2: 99 (1838).
  5. Peristeria leucoxantha Garay, Arch. Jard. Bot. Rio de Janeiro 13: 46 (1954).
  6. Peristeria lindenii Rolfe, Lindenia 7: 83 (1891).
  7. Peristeria pendula Hook., Bot. Mag. 63: t. 3479 (1836).
  8. Peristeria rossiana Rchb.f., Gard. Chron. 1889(1): 8 (1889).
  9. Peristeria selligera Rchb.f., Gard. Chron. 1887(2): 272 (1887).
  10. Peristeria serroniana (Barb.Rodr.) Garay, Arch. Jard. Bot. Rio de Janeiro 13: 47 (1954).
  11. Peristeria violacea (Josst) Foldats, Acta Bot. Venez. 3: 394 (1968).

Fonte:http://pt.wikipedia.org/wiki/Peristeria_%28orqu%C3%ADdea%29

Ophrys lutea

Ophrys lutea
 

Uma das coisas que mais admiro nesta espécie de flores (orquídeas) é a arte com que se revestem na forma mais apropriada para atrair seus polinizadores naturais no afã de perpetuar sua espécie.

DETALHES:

FAMÍLIA: Orquidáceas

NOME VULGAR: Erva vespa

DESCRIÇÃO: planta de 1 a 3,5 dm; labelo quase tão comprido como largo, trilobado, amarelo, com uma grande mancha no centro avermelhado-escura, glabra na margem e aveludada na parte restante; tépalas externas verdes

HABITAT: outeiros secos e pedregosos, arrelvados

FLORAÇÃO: Fevereiro a Maio

FONTE:Carterandholmes.com/tolumniacare.html

GHOST ORCHID

A orquídea fantasma em inglês : Ghost Orchid (nome científico, Polyrrhiza lindenii) – não se deve  confundir com a “orquídea fantasma” euroasiática (Epipogium aphyllum)  É  uma planta perene Hemicriptófito da famÍlia das orquídeas (Orchidaceae). Anteriormente incluida em Dendrophylax, esta orquídea foi transladada recentemente para o  gênero Polyrrhiza.

Nomes comuns
:

Além de Ghost Orchid (orquídea fantasma), outros nomes comuns desta orquídea são : Palm Polly y White Frog Orchid.

Sinónimos :

    • Aeranthes lindenii (Lindl.) Rchb.f. in W.G.Walpers, Ann. Bot. Syst. 6: 902 (1864).
    • Angraecum lindenii Lindl., Gard. Chron. 1846(1): 135 (1846).
    • Dendrophylax lindenii (Lindl.) Benth. ex Rolfe
    • Polyradicion lindenii (Lindl.) Garay, J. Arnold Arbor. 50: 467 (1969). (este nome ainda é utilizado por numerosos autores).

Na base de dados del “World Checklist of Monocotyledons” do Real Jardín Botânico de Kew ainda se considera aceitável o nome de Dendrophylax lindenii, enquanto que Polyrrhiza lindenii é considerado como una sinonímia homotípica. O epíteto “lindenii” se deve a seu descobridor, o belga  Jean J. Linden que viu esta orquídea pela primeira vez en Cuba en 1844. Mais tarde foi encontrada nos Everglades da Flórida.

Habitat

Esta orquídea é epífita, é encontrada em bosques húmidos e zonas pantanosas da Flórida ao sudeste dos EE. UU., nas Bahamas y Cuba.

Una « ghost orchid » foi observada no verão de 2007 no Corkscrew Swamp Sanctuary, perto de Naples, Flórida.

Há outros gêneros de orquídeas que contém plantas semelhantes na Asia, Sudamérica e África. Mais informações podem ser encontradas em “Jays Internet Orchid Species ou Orchid Taxa” relacionadas  a estes Continentes.

Esta é una orquídea em perigo de extinção. São raramente vistas em coleções e estão sendo vendidas por un preço elevado. O cultivo desta orquídea se mostrou un fracasso fuera de seu habitat. Requer condições de cultivo muito especializadas. Entre outras exigências, requer humidade alta.  Esta orquídea se enumera no apêndice II do CITES e está protegida completamente pelo estado da Flórida e leis federais de proteção.

Descriçãoç

Esta orquídea epífita, é uma monocotiledônea excepcional, pois não possue nem caule nem folhas  que se encontram muitíssimos reduzidos. Consiste somente de raízes planas, como cordões, verdes. Estas raízes são utilizadas para a absorção da humidade e seus cloroplastos para la fotossíntese. A camada externa, o velamen, se encarrega de adquirir os nutrientes e a água. Também protege as camadas internas.

Esta orquídea florece entre junho e agosto, com uma a dez flores con fragancia, que abrem uma de cada vez. A flor branca tem de 3 a 4 centímetros de comprimento e de 7 a 9 cm de largura e se apresenta em uma espiga que se eleva através de um caule desde a raíz. O lábio inferior produz duas largas, pétalas que se torcem levemente para baixo, assemelhando-se às pernas traseiras de uma rã que salta. Suas brácteas são  finas, secas, membranosas e com aparência de papel.

Cmo as raízes desta orquídea se fundem tão bem con a árvore, a flor parece a miúdo flutuar no ar, daí seu nome de “orquídea fantasma”.

A polinização é efetuada pela mariposa esfinge gigante, o único insecto local com a probóscide  suficientemente grande. Com relação a  este aspecto, se pode dizer que esta é o equivalente americano da orquídea de Madagascar, Angraecum sesquipedale (Angraecum); que levou  Charles Darwin a predizer que alguma espécie de mariposa, então ainda desconhecida pela ciência, seria descoberta (o inseto que polinizou a orquídea ). As pessoas do seu tempo o ridicularizavam por esta afirmativa, entretanto, alguns anos mais tarde tal mariposa foi encontrada.

Curiosidades

Esta planta desempenhou un papel fundamental no livro The Orchid Thief   (O ladrão de orquídeas), e no filme  baseado no livro, Adaptation.

Referências

    1. BS Carlsward, WM Whitten, NH Williams – International Journal of Plant Sciences, 2003 – journals.uchicago.edu
    1. Classification by the World Checklist of Monocotyledons
    1. «Rare Ghost orchid found in Florida» (2007). Consultado el 30-07-2007

Fonte : Wikipedia, google images

AGORA VEJAMOS A ORQUÍDEA FANTASMA EUROASIÁTICA:  A Epipogium aphyllum

File:Epipogium aphyllum-003.jpg

Foto de Hans Stieglitz

https://en.wikipedia.org/wiki/Epipogium_aphyllum

By Boris Gaberšček – http://www2.arnes.si/~bzwitt/flora/epipogium_aphyllum.html, CC BY 2.5 si, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=40880249

By BerndH – Picture taken by BerndH, CC BY-SA 3.0, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=34052

Epipogium aphyllum, a orquídea fantasma (para não ser confundido com a orquídea fantasma americano, Dendrophylax lindenii ) é um resistente myco-heterotróficos orquídea falta de clorofila .

É famosa por sua aparência imprevisível; em muitas localidades, tem sido visto apenas uma vez. Pode ser encontrada nos faia, carvalho, pinheiro e abeto florestas em solos ricos em base. É uma planta rara e criticamente ameaçadas no habitat, e acredita-se estar extinta durante a maior parte de sua escala anterior, apesar de ter sido recentemente confirmada no Reino Unido, uma área onde se acreditava que as plantas foram extintos.

As plantas são protegidos em muitas localidades, e remover as plantas de habitat ou perturbar as plantas, mesmo para o estudo científico, pode ser um assunto muito sério em muitas jurisdições. Estas plantas são excepcionalmente raro e não deve ser removido do habitat ou perturbado. 

Uma vez pensado para ser saprófitas , estas plantas resistentes são realmente obrigar mycoheterotrophs (ou epiparasites ) que obtêm os nutrientes dos micorrízicos redes que envolvem Basidomicetos fungos que por sua vez são associados com as raízes de várias espécies de árvores coníferas. Eles crescem a partir de um metro, enterrando-tronco que não tem clorofila e possui folhas efêmeras que são pequenas escalas. As plantas só emergem acima do solo em flor, especialmente durante os verões muito úmidos na Europa Ocidental.

As plantas têm uma gama extremamente ampla de distribuição. A espécie é comum em grande parte da Europa e do norte da Ásia a partir de Espanha para Kamchatka e do sul dos Himalaias . É, no entanto, excepcionalmente raro no habitat. As plantas são encontradas em áreas que normalmente experimentam invernos frios. Da planta rizomas são densamente colonizados por fungos rolamento braçadeira-conexões e dolipores, todos os basidiomicetos , guelras ou formadoras de poros cogumelo espécies que normalmente são encontrados crescendo em micorrízicos associação com as raízes das coníferas árvores.

Estas plantas aproveitar uma variedade de fungos simbiontes em várias famílias, muitas vezes simultaneamente. A análise destas plantas identificaram Inocybe espécie como exclusivos simbiontes por 75% das plantas em habitat, bem como outros ( Hebeloma , Xerocomus ,Lactarius e Thelephora ). As plantas também acolher ascomicetes endófitos , que aparecem para ajudar a planta em parasitando alguns dos simbiontes basidiomicetos da planta. 

As plantas desafiam o cultivo fora das condições de laboratório, uma vez que exigem não só específica fungos simbiontes , mas também árvores hospedeiras específicas com que estas espécies de cogumelos formam micorrízicos relacionamentos. Grandes plantas desta espécie podem produzir uma exibição da floresta em vez impressionante com até um talos dúzia de flores de uma só vez tendo 3-4 flores cada crescem fora da maca da folha de coníferas. 

FONTE: https://en.wikipedia.org/wiki/Epipogium_aphyllum