ORQUÍDEAS DA CHAPADA DIAMANTINA

Ao fundo o Morro do Pai Inácio

ESTAS FOTOS FORAM FEITAS NO ORQUIDÁRIO DO MORRO DO PAI INÁCIO. É UMA PROPRIEDADE PARTICULAR QUE ESTÁ ABERTA À VISITAÇÃO. LÁ SÃO ENCONTRADAS ORQUÍDEAS NATIVAS E UM AMBIENTE COM BELEZA NATURAL. VALE A PENA A VISITA AO ORQUIDÁRIO COMO PARTE DO PASSEIO À CHAPADA DIAMANTINA E AO MORRO DO PAI INÁCIO.

O orquidário possui além das estufas de flores, piscina natural, mini museu do garimpo, e loja de “souvenirs”. Vale a pena conhecer o Orquidário Pai Inácio.

Catleya Ellongata, a orquídea símbolo do Parque Nacional da Chapada Diamantina.

A Chapada Diamantina é um orquidário a céu aberto, em todas as trilhas é possível  encontrar orquídeas maravilhosas pelo caminho.

Fontes:

No vídeo abaixo o Sr. Luiz dono do orquidário, fala sobre a história do orquidário.

Anúncios

IONOPSIS

http://www.forp.usp.br/restauradora/orq/orquid.html – Ionopsis ? O leitor Luiz Felipe me socorreu identificando esta Ionopsis como galeandra! Obrigada.

ionopsis_paniculata_1.jpg
Ionopsis paniculata – http://cvetki.org/cvetki_ionopsis.php

onopsis utricularioides -m http://orchid-lee.blogspot.com.br/2010/12/ionopsis-utricularioides.html

http://forums.gardenweb.com/forums/load/orchidsgal/msg0723343816298.html – Ionopsis satyrioides

Ionopsis é um gênero botânico pertencente à família das orquídeas (Orchidaceae). Foi proposto por Kunth em Nova Genera et Species Plantarum (quarto ed.) 1: 348, t. 83, em 1815, ao descrever a Ionopsis pulchella Kunth, que é a espécie tipo. O nome deste gênero refere-se às suas flores que lembram violetas.


Ionopsis agrupa seis miniaturas epífitas, de crescimento cespitoso distribuídas do sul da Flórida e Antilhas ao Paraguai, três delas registradas para o Brasil. Extensamente dispersas até a altitude de oitocentos metros, no Brasil podem ser encontradas hospedando-se em laranjeiras, pitangueiras, goiabeiras e cafezais.

Algumas das espécies deste gênero podem ser facilmente reconhecidas por produzirem panículas de flores lilases gigantescas, quando comparadas com o tamanho da planta.

Seus diminutos pseudobulbos, que possuem uma única folha espessa ou teretiforme, são protegidos por Baínhas foliares coriáceas. Da axila dessas Baínhas brota a inflorescência, ereta ou arqueada, paniculada com poucas ou muitas flores. 


As flores, róseas ou brancas, possuem sépalas laterais unidas na base formando curto e largo saco ou esporão mentiforme, sempre mais curto do que o ovário, labelo bastante grande em relação aos demais segmentos, unguiculado e plano e ovalado, levemente bilobulado na extremidade. A coluna apresenta prolongamento podiforme e duas polínias.

Espécies

Lepanthes calodictyon

http://blogginghouseplants.blogspot.com.br/2011/08/lepanthes-calodictyon.html
http://orchidsinbloom-ron.blogspot.com.br/2014/03/lepanthes-calodictyon.html
s.com/orchidtalk/imgcache/26609.png
http://www.orchidspecies.ch/SOG/Bewertung/v11-1110.htm
http://www.slippertalk.com/forum/showthread.php?t=35528

Eu estava dando uma olhada nas fotos do congresso europeu de orquideas/2012, quando me deparei com este exemplar de mini orquídea, totalmente diferente de tudo que havia visto até hoje. Imediatamente fui pesquisar na web com o objetivo de compartilhar com os leitores este meu belo achado.

Classificação científica

Nome Binomial
Lepanthes calodictyon
Hook. 1861

Classificação científica

Reino: Plantae
Divisão: magnoliphyta
Classe: Liliopsida
Ordem: Asparagales
Família : Orchidaceae
Subfamília : Epidendroideae
Tribo: Epidendreae
Subtribo: Pleurothallidinae
Gênero Lepanthes
Espécie: Lths. calodictyon
Aliança:
Nome Binomial; Lepanthes calodictyon
Hook. 1861

Esta planta pode florescer em qualquer época do ano, com 8 mm. de largura,sucessivas flores individuais. Esta espécie é semelhante ao Lepanthes tentaculata. A Lths. calodictyon é encontrada em árvores da floresta montana úmida no oeste da Colômbia e do Equador em altitudes de 450 a 1.500 metros. Precisa ser mantida em sombra parcial. Pode, no entanto ser cultivada em condições intermediárias de calor. O vaso da planta em casca fina com perlite ou musgo esfagno. Água regularmente e manter envasamento meio úmido.


Fonte: http://orchids.wikia.com/wiki/Lepanthes_calodictyon

AS MICROORQUÍDEAS TEM UM PARAÍSO

Micro-orquídea Capanemia superflua Foto de Sérgio Oyama Junior
Orquidófilo Masuji Kayajima
https://sborquidea.files.wordpress.com/2012/09/img_85041.jpg
https://sborquidea.wordpress.com/2012/09/16/visita-ao-paraiso-das-microorquideas/
https://sborquidea.wordpress.com/2012/09/16/visita-ao-paraiso-das-microorquideas/

Ao longo de mais de 40 anos, o orquidófilo Masuji Kayasima transformou sua propriedade rural, localizada no município de Mogi das Cruzes, interior de São Paulo, em um refúgio para milhares de orquídeas nativas da Mata Atlântica. Cada árvore foi plantada com o objetivo de mimetizar o habitat natural e dar abrigo a estas pequenas jóias da natureza, as micro-orquídeas.

A coleção que este renomado pesquisador construiu durante a vida toda é hoje considerada a maior do mundo. São mais de 10 mil orquídeas, pertencentes a 800 espécies diferentes. Ao chegarmos na propriedade, a primeira coisa que recebemos é uma lupa. Somente com o auxílio deste instrumento, podemos visualizar detalhadamente cada flor ali presente. Outra coisa que nos chama a atenção é que não há vasos. Todas as micro-orquídeas estão plenamente integradas à natureza, dispostas sobre as árvores da propriedade, ou sobre criativos suportes naturais, tais como cascas de macadâmia, sabugos de milho, pedaços de madeira e até mesmo ossos.

Outra interessante característica do cultivo no Paraíso das Micro-orquídeas é que não são utilizados produtos industrializados, tais como adubos e defensivos. Tudo é feito de maneira orgânica. As plantas são nutridas pela própria natureza, através da água da chuva, material vegetal em decomposição, dejetos dos animais, etc. Os pássaros, que costumam desplantar as orquídeas à procura de material para construírem seus ninhos, são afastados por reluzentes CDs pendurados por toda a propriedade. Os insetos sugadores e raspadores são capturados com placas adesivas de diferentes cores.

No sítio, o Sr. Kayasima cultiva cerca de 400 gêneros e aproximadamente mil e setecentas espécies.  O clima de Mogi das Cruzes, somados à extensa Mata Atlântica, foram essenciais para o sucesso do cultivo do produtor.

Com paciência e dedicação, pesquisando alternativas de cultivo,  encontrou a castanha e o coco-jerivá como ótimos recipientes. Com seus estudos, o orquidófilo descobriu cinco novas espécies, sendo duas delas microorquídeas.
O único cuidado que as micro-orquídeas recebem de seu cuidador é a rega, que toma boa parte da rotina diária do Sr. Masuji, quando não chove. Além disso, cada planta é cuidadosamente dividida e replantada nos substratos naturais, de maneira quase artesanal.
Todos estes pequenos detalhes fazem do sítio do Sr. Masuji Kayasima um verdadeiro Paraíso das Microorquídeas.

No local, pequenas orquídeas encantam os turistas que recebem uma explicação de como foi montado o orquidário natural, desde a escolha da árvore hospedeira, fixação das orquídeas e a preocupação com a preservação do meio ambiente. Os visitantes podem comprar microorquídeas e plantas carnívoras, além de caqui e castanha portuguesa. Informações: (11) 4761-3186 Estrada Mogi Salesópolis, km 7, Cocuera Visita: com agendamento.

Segundo a opinião de especialistas americanos, a coleção do orquidófilo Masuji Kayasimaa é a maior coleção de micro-orquídeas do mundo. O pesquisador e orquidófilo Masuji Kayasima cultiva, em seu sítio, mais de 10 mil orquídeas de 800 espécies diferentes. São plantas nativas da Mata Atlântica, ambiente que foi recriado na propriedade do Sr. Kayasima ao longo de 40 anos.

Todo este valioso acervo está sendo documentado em um livro que, além de divulgar esta biodiversidade desconhecida do grande público, pretende chamar a atenção para a necessidade de se preservar os 7% que ainda restam da Mata Atlântica original, lugar em que habitam estas pequenas obras de arte vivas.

Fonte: http://www.orquideasnoape.com.br/

https://sborquidea.wordpress.com/2012/09/16/visita-ao-paraiso-das-microorquideas/